By: Alexandre Cantini | April 18, 2016

Nascemos todos iguais e plenos de direitos, porém, para vivermos em sociedade, nos provamos de parte de nossos direitos inatos e o conferimos a um ente soberano para que mantenha a paz social e, em nosso Estado Democrático de Direito, para que cumpra os objetivos elencados pelo povo – o detentor do poder original e último – no artigo 3º de nossa Constituição.


De quatro em quatro anos renovamos esse contrato conferindo, por meio do voto, legitimidade a que alguém ocupe o cargo de chefe de Estado e de Governo, para que cumpra esta missão em nosso nome.


Se este indivíduo desvirtuar esta missão, usar o Estado para seus interesses egoísticos, existe um mecanismo único constitucional, de extrema gravidade, que pode retirá-lo antecipadamente do cargo, o impedimento.


Se, por outro lado, este mandatário legítimo vier a ser apeado do poder por meios escusos, o governo que se instalar em seu lugar carecerá de legitimidade. Antes, na verdade, estará usurpando o poder do povo que, como tal, tem o direito de reclamá-lo de volta.


Testemunhamos um golpe de Estado hoje. Uma farsa dantesca capitaneada por canalhas que desvirtuaram um instrumento constitucional legítimo para provocar um ato ilegítimo. É de se destacar que as acusações eram tão estapafúrdias que nenhum dos farsantes as evocou ao fundamentar sua decisão.


Impeachment sem crime de responsabilidade é golpe de Estado.


Golpe de Estado é usurpação violenta do poder do povo, manifesto em decisão democrática, pelo voto.


A usurpação do poder emanado pelo povo resulta em um governo ilegítimo.


O povo, enquanto detentor primeiro e último do poder, não deve obediência ou fidelidade a um governo ilegítimo, e deve usar de todos os meios disponíveis para tomar de volta o poder que lhe foi usurpado.


O povo tem o poder. O povo tem o direito.


Category: Sem categoria 

Tags:

By: Alexandre Cantini | January 22, 2016

Redes sociais é um dos tópicos mais quentes do mundo digital. Enquanto Facebook, Twitter e Google+ capturam o maior market share, existe uma miríade de ferramentas para a criação de redes sociais personalizadas, para distribuição tanto em intranets quanto na Internet. A vantagem de se utilizar tais redes em ambientes educacionais ou profissionais é tirar o conteúdo nelas compartilhado do controle das grandes empresas.

A seção "Linux" do Guicolândia apresenta um conjunto de tutoriais de instalação de algumas redes sociais. Todas elas funcionam utilizando-se a infraestrutura LAMP, cuja instalação é requisito, e cujo tutorial para tal pode ser encontrado neste link.


Você poderá instalar:


Category: Linux 

Tags: Ubuntu, Linux, CMS, Redes Sociais, LAMP 

By: Alexandre Cantini | December 29, 2015

Nos últimos dias, vinha sofrendo com uma lentidão atroz na navegação. Estava a ponto de ligar para o provedor para saber o que se passava, quando resolvi verificar se não seria um problema do Firefox, até porque o teste de ping da Rede estava fornecendo resultados normais.


Após uma rápida pesquisa, descobri pequenas modificações nas configurações do programa que, implementadas, o deixaram praticamente instantâneo. Estas modificações estão disponíveis neste tutorial.

Category: Linux 

Tags: Tutorial, Firefox 

By: Alexandre Cantini | December 13, 2015

Adquiri recentemente (já tem alguns meses, na verdade, mas tenho andado sem tempo) um Raspberry PI 2 para usar como servidor de arquivos e de mídia, com o Plex Media Server. Na teoria, a ideia era ótima: em vez de ter que ligar um note antigo que possuo toda vez que queria o Plex funcionando, ou de deixá-lo ligado para manter os HDDs externos sempre disponíveis na rede local, o minúsculo Raspberry cumpriria a mesma função, consumindo menos energia elétrica e gerando menos ruído.


Só não contava com um problema óbvio: os programas de que necessitaria deveriam ter sido compilados para Linux ARMv7.


Algumas pessoas acham que sou chato porque critico os desenvolvedores de programas proprietários mas, adivinhem quais programas não possuem compilação para o Rasp PI? Exatamente os dois únicos programas proprietários que gostaria de usar: Plex Media Server e Dropbox.


As mesmas pessoas me acham chato porque elogio a comunidade desenvolvedora de programas livres, mas, adivinhem só: a comunidade desenvolveu caminhos para permitir rodar estes dois programas no pequeno PI. O Plex Media Server foi adaptado e, quanto ao Dropbox, é possível gerar uma API no site do desenvolvedor do programa e rodá-lo utilizando o programa livre de nuvem ownCloud.


Hoje, meu Raspberry PI está rodando o Ubuntu-Mate para ARMv7 com dois HDDs externos a ele conectados. Seus arquivos estão disponíveis na rede via servidor Samba, o PI pode ser controlado de outra máquina pois está rodando os servidor VNC Vino, os HDDs funcionam como backup de meus arquivos via ownCloud e Dropbox, e o PLEX distribui minha biblioteca de mída pela rede. Tudo rodando ao mesmo tempo, initerruptamente e sem falhas ou latência.


Por fim, como sou um chato defensor da filosofia colaborativa da comunidade Software Livre, todos os passos seguidos nesta aventura estão descritos em fáceis tutoriais passo a passo aqui mesmo, no Guicolândia. Basta clicar na seção Linux, acima.

Category: Linux 

Tags: Ubuntu, Linux, Tutorial, Raspberry PI 

By: Alexandre Cantini | April 27, 2015

...e não graças à OAB.


A nova versão do LibreOffice, embarcada no Ubuntu 15.04, introduziu a assinatura digital de documentos exportados como PDF. Basta espetar o token no computador, abrir o LibreOffice e exportar o texto como PDF. Na janela que se abre, procure pela aba "Assinaturas digitais" (a última da esquerda para a direita) e clique em "selecionar". Neste momento, seu token será acionado e aparecerá prompt para inserção da senha. Após entrar com a senha, o documento será assinado, sem a necessidade de se utilizar o Assinador Livre, do TJ, que não roda no LInux.


E eis que o circuito está fechado!!!


Já não há mais porque o advogado manter seu computador eternamente vulnerável com o Windows porque não era possível assinar arquivos PDF no Linux.


Para instalar o Token OAB no Ubuntu, siga este tutorial do Guicolandia.