Instalando o Ubuntu Server no Raspberry PI e configurações iniciais

 
Introdução:

Para rodar servidores no Raspberry PI, não há necessidade de sobrecarregar o sistema com interface gráfica e outros penduricalhos. Sendo assim, vamos de Ubuntu Server.


Baixe a imagem do sistema do site Ubuntu PI Flavour Maker.


Feito o download do sistema, descompacte o arquivo e o coloque na sua pasta home.


Para transferir a imagem para o cartão microSD, será utilizado o comando ddrescue. Ocorre que seu pacote, por padrão, não vem instalado. Sendo assim, comece rodando, no Terminal (Ctrl+Alt+T), o seguinte comando:


sudo apt-get install gddrescue


Em seguida, com o chip MicroSD montado em seu computador, será necessário rodar um comando como "sudo ddrescue -d -D --force ubuntuXXXX.img /dev/sdX", substituindo o final, "sdX", pela letra correspondente ao microSD. Para certificar-se de qual letra lhe foi atribuída, digite o seguinte comando no Terminal:


lsblk


Estude o gráfico com atenção e descubra a letra raiz. No meu caso, é "b". Lembre-se, também, de usar o nome correto da imagem do sistema. No meu caso, o comando ficou assim:


sudo ddrescue -d -D --force ubuntu-standard-16.04-server-armhf-raspberry-pi.img /dev/sdb


O processo leva um tempinho. Se der erro:

1) rode o comando novamente, novamente e novamente, até que ele vá até o final do disco. Funciona comigo;
2) formate o disco para NTFS. Funciona comigo;
3) formate o disco para FAT32 (sugestão da Web).

Após concluída a transferência, já é possível dar o boot no Raspberry PI.


Primeiro boot:

O sistema já está instalado nesta imagem, sendo assim, o primeiro boot lhe apresentará a tela de login do usuário padrão. Use “ubuntu” como usuário e senha.


O Ubuntu Server já vem com o Open SSH instalado, de modo que você já pode controlar o sistema via ssh de outro computador na rede, liberando, com isso, o terminal conectado ao cabo HDMI (no meu caso, minha TV). É preciso, no entanto, descobrir o número de IP designado por seu roteador, para que você possa invocá-lo. Rode, no Ubuntu Server, o comando abaixo:


ifconfig


e procure a entrada “inet addr” no componente conectado à rede.


De posse do endereço de IP do Raspberry PI (o tal “inet addr”), rode o seguinte comando no Terminal (Ctrl + T) de seu computador conectado à mesma rede em que se encontra o Raspberry PI:


ssh ubuntu@XXX.XXX.XXX.XXX


Obs.: substitua a sequência de X pelo número de IP de seu Raspberry PI.


Entre com a senha “ubuntu” e pronto: você já pode liberar a TV e trabalhar de seu computador.

Criando novos usuários:

É necessário criar seu próprio usuário, atribuir-lhe privilégios de administrador do sistema e apagar o usuário “ubuntu”, muito vulnerável, especialmente se você decidir abrir seu Raspberry PI para ser acessado remotamente, pela Internet.


Comece rodando o seguinte comando:


sudo adduser novo_nome_de_usuário


Agora, adicione privilégios ao novo usuário com os comandos a seguir:


sudo usermod -aG sudo novo_nome_de_usuário


Adicionalmente, rode o comando:


sudo nano /etc/sudoers


No arquivo que se abre, usando as setas do teclado, procure a linha:


root ALL="(ALL:ALL)" ALL


E adicione, logo abaixo:


novo_nome_de_usuário ALL="(ALL:ALL)" ALL

Para salvar o arquivo, aperte Ctrl+X, Y e Enter.


Reinicie o sistema com o comando a seguir mas, dessa vez, conecte-se via SSH utilizando seu nome de usuário, recém criado, e a senha correspondente:


sudo shutdown -r now

Apagando o usuário "ubuntu":

De volta ao Ubuntu Studio em seu Raspberry PI, via SSH, para apagar o usuário “ubuntu”, digite:


sudo deluser --remove-home ubuntu


A opção --remove-home apaga a correspondente pasta deste usuário (caso exista).

 

 

Redimensionando a partição do sistema:

É preciso redimensionar o disco do sistema, para que ocupe todo o espaço do chip microSSD. Para tanto, rode o seguinte comando no Terminal (Ctrl+Alt+T) conectado ao Raspberry PI via SSH:


sudo fdisk /dev/mmcblk0


Apague a segunda partição respondendo às perguntas com: "d", e depois: "2". Em seguida, recrie a partição com as opções padrão: n, p, 2, enter, enter. Depois, escreva para o disco e saia (w).


Reinicie o sistema:


sudo shutdown -r now


Assim que o sistema tiver terminado de carregar, conecte-se novamente via SSH e digite o seguinte comando, para terminar o redimensionamento da partição:


sudo resize2fs /dev/mmcblk0p2

Criando a área de swap:

Não existe área de swap por padrão. Para criá-la, tendo sobrado no mínimo 4 Gb livres no microSD, digite:


sudo apt install dphys-swapfile

Alterando o nome da máquina:

Assim como o nome do usuário, o nome da máquina também é padrão (e longo): “ubuntu-standard”. Tanto por segurança, quanto por comodidade, vamos alterá-lo. Digite os seguintes comandos no Terminal conectado por SSH:


sudo nano /etc/hostname


E altere o nome para o que você desejar: Salve e feche o Nano com a sequência Ctrl+X, Y, Enter.


Agora, digite o seguinte comando:


sudo nano /etc/hosts


E altere, aqui também, o nome da máquina de "ubuntu-standard" para o que escolheu. Salve e feche o Nano.


O novo hostname será atribuído quando a máquina for religada:


sudo shutdown -r now

Atualizando o Timezone e Locale:

Ao instalar um novo servidor-web, é fundamental verificar se está sincronizado com a data e fuso horário local.



O Timezone define seu fuso horário, Locale é responsável pela regionalização dos caracteres, formatos de data, padrões numéricos, moeda etc.


Para alterar o timezone rode, no Terminal:


sudo dpkg-reconfigure tzdata


Para verificar o locale atual do sistema, execute:


locale


Caso pt_BR.UTF8 não esteja definido como o locale de seu sistema, é possível instalá-lo com o seguinte comando:


sudo locale-gen pt_BR.UTF-8

Sincronizando o relógio do sistema:

Ao se manter um servidor físico, é uma boa ideia sincronizar o relógio do sistema com um servidor de NTP (Network Time Protocol - protocolo de rede para a sincronização dos relógios dos computadores) da Internet (se seu servidor for virtual, pode pular esta etapa).


Ainda no Terminal, rode os seguintes comandos:


sudo apt-get -y install ntp ntpdate

Adicionando os repositórios adicionais:

Para adicionar os repositórios Universe, Multiverse e Restricted, rode os comandos a seguir, um por vez:

 sudo add-apt-repository universe     

sudo add-apt-repository multiverse

sudo add-apt-repository restricted

Finalizando:

O sistema está pronto para receber o servidor de DNS, o servidor-web e os serviços que você quiser rodar. Comece, no entanto, atualizando-o:


sudo apt update && sudo apt -y full-upgrade